Turismo Alternativo
07/07/2018 - 11h11 em Viagens

5 Lugares, no Brasil, para fugir da cidade grande.

 

SÃO MIGUEL DO GOSTOSO (RN)


Melhor época do ano para ir: ano todo
O que esperar de um lugar que tem gostoso até no nome? Bem perto de Natal, a pouco mais de cem quilômetros, a vila de pescadores faz questão de manter o clima pacato que despertou o interesse dos turistas. Dizem que o melhor de São Miguel doGostoso são os gostosenses: eles têm fama de serem extremamente amáveis e hospitaleiros. Desde as praias mais centrais, como a da Xepa, até as mais distantes onde se chega via buggy, como Galinhos, todas são maravilhosas e quase desertas. Por ventar muito na região, a Ponta do Santo Cristo é considerada a melhor praia do Brasil para a prática de esportes de vela como o kite e o windsurf.

 

PIRANHAS (PI), ROTA DO CANGAÇO
Melhor época do ano para ir: o ano todo
Roteiro para conhecer os principais locais por onde passou Lampião com seu bando de cangaceiros é feito em parte a bordo de um catamarã e em parte percorrendo trilhas pela caatinga. O passeio fluvial parte do atracadouro de Piranhas, desce o Rio São Francisco e vai até o começo da trilha de 600m para a Grota do Angico, onde o bando foi encontrado, emboscado e Lampião, Maria Bonita e mais 9 companheiros foram mortos por forças policiais em 1938. A trilha é curta, mas o calor e o sol inclemente dão uma ideia do clima que os cangaceiros enfrentavam todos os dias enquanto carregavam quilos e quilos de mantimentos e munições. No caminho até a grota está a bem preservada casa de taipa de Pedro Cândido, um dos homens que davam asilo e proteção a Lampião.

 

ALTA FLORESTA (MT)
Melhor época do ano para ir: ano todo
O Mato Grosso tem três ecossistemas únicos reunidos em um só estado: pantanal, cerrado e, ao norte do estado, a exuberante Floresta Amazônica, cortada por grandes rios e povoada por uma riquíssima biodiversidade. Entre os ótimos destinos de ecoturismo da região, Alta Floresta pode ser considerada como uma espécie de portal da Amazônia. O Parque Estadual do Cristalino, por exemplo, tem uma das maiores variedades de aves do mundo, com mais de 500 espécies, muitas delas endêmicas. A cerca de 80 quilômetros da cidade, no sítio arqueológico da Pedra Preta, fica o maior painel pictográfico do mundo: a enorme arte rupestre foi esculpida em um bloco de granito com 500 metros de diâmetro.

 

GOIÁS (GO)
Melhor época do ano para ir: o ano todo
Também conhecida como Cidade de Goiás e Goiás Velho (esse um nome que não agrada quem nasce por lá), a antiga capital do estado de Goiás é tem um centro colonial charmoso, tombado como Patrimônio Histórico Mundial pela UNESCO. Além das igrejas e museus, Goiás é a cidade natal da poetisa Cora Coralina. Sua casa-museu está aberta para visitação, que começa pela cozinha ornada com os tachos que a poetisa-doceira usava para produzir seus quitutes. Uma vez em Goiás, é preciso experimentar os doces típicos de frutas e o pastelinho (massa recheada de doce de leite) e imaginar que foram feitos pela escritora. A culinária local também conta com pratos que misturam sabores indígenas e influência dos paulistas: galinhada com pequi, arroz-de-puta-rica (com carne defumada), arroz com suã, empadão goiano e leitão à pururuca.

 

SALINAS (MG)
Melhor época do ano para ir: o ano todo, mas em Julho acontece o Festival Mundial da Cachaça, a melhor data para conhecer a cidade
Localizada no Norte de Minas, a Capital da Cachaça Artesanal é a terra da caninha mais premiada do mundo: a Cachaça Havana (+ de 400 reais/garrafa), que também produz a igualmente ótima Cachaça Anísio Santiago (que é mais em conta, 250 reais/garrafa). Ao todo, são mais de 20 rótulos produzidos nos alambiques da região - alguns deles estão abertos para visitação. As diferentes variedades de cachaça podem ser provadas direto nos alambiques e em bares da cidade, que também vendem garrafas para levar pra casa. Outra visita imperdível é o Mercado Municipal de Salinas, onde são vendidos produtos típicos do norte de Minas, como paçoca de carne seca, carne de sol, queijo cabacinha (uma variedade do mussarela, mas mais fresco e saboroso), requeijão amarelo (que é duro, gorduroso e fica ótimo comido quente com melado de cana), feijão andu e pequi.

Fonte: Galileu

COMENTÁRIOS